sábado, 4 de junho de 2016

Machado de Assis - Casa Velha - Capítulo 06


No dia seguinte fui mais cedo para a Casa Velha, a fim de chegar antes dos hóspedes que D. Antônia esperava da roça, mas já os achei lá; tinham chegado na véspera, às avemarias. Um deles, o coronel Raimundo, estava na varanda da frente, conheceume logo, e veio a mim para saber como ia a história de Pedro I. Sem esperar pela resposta, disse que podia darme boas informações. Conhecera muito o imperador. Assistira à dissolução da Constituinte, por sinal que estava nas galerias, durante a sessão permanente, e ouviu os discursos do Montezuma e dos outros, comendo pão e queijo, à noite, comprados na Rua da Cadeia; uma noite dos diabos.



Machado de Assis - Casa Velha - Capítulo 06


No dia seguinte fui mais cedo para a Casa Velha, a fim de chegar antes dos hóspedes que D. Antônia esperava da roça, mas já os achei lá; tinham chegado na véspera, às avemarias. Um deles, o coronel Raimundo, estava na varanda da frente, conheceume logo, e veio a mim para saber como ia a história de Pedro I. Sem esperar pela resposta, disse que podia darme boas informações. Conhecera muito o imperador. Assistira à dissolução da Constituinte, por sinal que estava nas galerias, durante a sessão permanente, e ouviu os discursos do Montezuma e dos outros, comendo pão e queijo, à noite, comprados na Rua da Cadeia; uma noite dos diabos.
—  Vossa Reverendíssima vai escrever tudo?
—  Tudo o que souber.
—  Pois eu lhe darei alguma coisa.
Começamos a passear ao longo da varanda grande. Egoísmo de letrado! A esperança de alguns documentos e anedotas para o meu livro pôs de lado a principal questão daqueles dias; entregueime à conversação do coronel. Já sabemos que era parente da casa; era irmão de um cunhado do marido de D. Antônia, e fora muito amigo e familiar dele. Falamos cerca de meia hora; contoume muita coisa do tempo, algumas delas arrancadas por mim, porque ele nem sempre via a utilidade de um episódio.
—  Oh! isso não tem interesse!
—  Mas diga, diga, pode ser, insistia eu.
Então ele contava o que era, uma visita, uma conversa, um dito, que eu recolhia de cabeça, para transpôlo ao papel, como fiz algumas horas depois. Raimundo foise sentindo lisonjeado com a idéia de que eu ia imprimir o que me estava contando, e desceu a minúcias insignificantes, casos velhos, e finalmente às anedotas dele mesmo, e às partes da sua vida militar.
—  Nhãtônia, disse ele vendo entrar a parenta na varanda, este seu padre sabe onde tem a cabeça.
D. Antônia fez um gesto afirmativo e seco, mas logo depois, para me não molestar, redargüiu sorrindo que sim, que tanto sabia onde tinha a cabeça como o coração. Lalau e as duas filhas do coronel vieram de fora, veio de dentro uma senhora idosa, arrastando um pouco os pés, e dando o braço a uma moça alta e fina.
—  Ande para aqui, baronesa, disselhe D. Antônia.
Apresentaramme às suas damas. Soube que a baronesa era avó da moça que a acompanhava. Eram esperadas do Pati do Alferes dez ou doze dias depois; mas vieram antes para assistir à festa da Glória. Foi
o que me constou ali mesmo pela conversação dos primeiros minutos. A baronesa sentarase de costas para uma das colunas, na cadeira rasa que lhe deram, ajudada pela neta, que a acomodou minuciosamente. Observeia por alguns instantes. Os dois cachos brancos e grossos, pelas faces abaixo, eram da mesma cor da touca de cambraia e rendas; os olhos eram castanhos e não inteiramente apagados; lá tinham seus momentos de fulgor, principalmente se ela falava em política.
—  Sinhazinha, o livro? perguntou ela à neta.
—  Está aqui, vovó.
—  É o mesmo da outra vez, Nhãtônia?
Era a mesma novela que lera quando ali esteve um ano antes, e queria reler agora: era o Saint Clair das Ilhas ou os Desterrados da Ilha da Barra. Meteu a mão no bolso e tirou os óculos, depois a caixa de rapé, e pôs tudo no regaço. Raimundo, passando a mão pela barba, disse rindo:
—  Bem, as senhoras vão conversar e nós vamos a um solo. Valeu, Reverendíssimo?
Fiz um gesto de complacência.
—  Félix é um parceirão, e Nhãtônia também; mas vamos só os três. Nunca jogou com o Félix? Vai ver o que ele é, fino como trinta diabos; lá na roça dá pancada em todo mundo. Aquilo sai ao pai. Se algum dia entrar na Câmara, creia que há de fazer um figurão, como o pai, e talvez mais. E olhe que acho tudo pouco para dar em terra com a tal Regência do Sr. Pedro de Araújo Lima...
—  Lá vem o coronel com as suas idéias extravagantes, acudiu a velha baronesa abrindo a caixa de rapé, e oferecendome uma pitada, que recusei. Acha que o Araújo Lima vai mal? Preferia o seu amigo Feijó?
Raimundo replicou, ela treplicou, enquanto eu voltava a atenção para Sinhazinha, que, depois de ter acomodado a avó, fora sentarse com as outras moças.
Sinhazinha era o oposto de Lalau. Maneiras pausadas, atitudes longamente quietas; não tinha nos olhos a mesma vida derramada que abrangia todas as coisas e recantos, como os olhos da outra. Bonita era, e a elevação do talhe delgado davalhe um ar superior a todas as demais senhoras ali presentes, que eram medianas ou baixinhas, com exceção de Lalau, que ainda assim era menos alta que ela. Mas essa mesma superioridade era diminuída pela modéstia da pessoa, cujo acanhamento, se era natural, aperfeiçoarase na roça. Não olhou para mim quando chegou, nem ainda depois de sentarse. Usava as pálpebras caídas, ou, quando muito, levantavaas para fitar só a pessoa com quem ia falando. Como o pescoço era um tantinho alto demais, e a cabeça vivia ereta, aquele gesto podia parecer afetação. Os cabelos eram o encanto da avó, que dizia que a neta era a sua alemã, porque eles tendiam a ruivo; mas, além de ruivos, eram crespos, e, penteados e atados ao desdém, davamlhe muita graça.
Gastei nesse exame não mais de dois a três minutos. Depois, indo a comparála melhor com Lalau, vi que esta fazia igual exame sorrateiramente. Não era a primeira vez que a via, era a segunda ou terceira, desde que Sinhazinha perdera o pai e a mãe e viera do Rio Grande do Sul para a fazenda da avó; não a viu no ano anterior, quando ela ali esteve, e cuido que lhe achava alguma diferença para melhor.
—  Reverendíssimo, vamos? disseme o coronel, acabando de replicar à baronesa.
—  Já, já. Onde está o parceiro?
—  Havemos de achálo. Nhãtônia, ele terá saído?
D. Antônia respondeu negativamente. Estaria vendo as bestas, que vieram da roça, ou o cavalo que comprara na véspera. E descreveu o cavalo, a pedido do coronel, chegandose ao mesmo tempo para o lado da Sinhazinha. Chegando a esta parou, pôslhe uma das mãos na cabeça, e com a outra levantoulhe o queixo, para mirála de cima.
—  Ai, Nhãtônia! disse a moça. Está me afogando.
D. Antônia fezlhe uma careta de escárnio, inclinouse e beijoulhe a testa com tanta ternura, que me deu ciúmes pela outra. E sentouse entre elas todas, e todas lhe fizeram grande festa. Raimundo calarase para mirar a cena, porque ele queria muito às filhas, e gostava de vêlas acariciadas também. Nisto ouvimos passos na sala contígua, e daí a nada entrava na varanda o filho de D. Antônia.
—  Ora, viva! bradou o coronel. Estávamos à espera de você para um solo.
—  Vá, vá, acudiu a baronesa, levantando os olhos do livro. O coronel está ansioso por jogar, e é uma fortuna, porque veio da roça insuportável, e não me deixa ler... Então você comprou um cavalo?
Curtos eventos, palavras sem interesse, ou apenas curiosas que me não consolavam da interrupção a que era obrigado no cometimento voluntário que empreendera; mas naquele dia não foi essa a minha pior impressão. Fomos dali para a mesa do jogo, em uma sala que ficava do outro lado, ao pé da alcova do Félix. O coronel, contando os tentos, dissenos que a baronesa estava com idéias de casar com a neta, conquanto ainda não tivesse noivo; era uma idéia. Parece que sentiase fraca, receava morrer sem vêla casada; foi o que ele ouviu dizer aos Rosários de Iguaçu, que eram muito da intimidade dela, e até parentes. Depois, rindo para o Félix:
—  Ali está um bom arranjo para você.
—  Ora! rosnou o rapaz.
—  Ora quê? retorquiu o coronel encarandoo, enquanto baralhava e dava as cartas. Repito que era um bom arranjo; eu achoa bem bonita, achoa mesmo (tape os ouvidos, Reverendíssimo!) achoa um peixão. O pai educoua muito bem; e depois duas fazendas, podese até dizer três, mas uma delas tem andado para trás. Duas grandes fazendas, com setecentas cabeças, ou mais; terra de primeira qualidade; muita prata... Não há outro herdeiro...
—  Solo! interrompeu o moço.
Ambos passamos; ele jogou e perdeu. Não tinha jogo, foi um modo de interromper o discurso do parente. Mas o coronel era daqueles que não esquecem nada, e daí a pouco tornou ao assunto, para dizer que ele, apesar de achacado, se a moça quisesse, tomálaia por esposa; e logo rejeitou a idéia. Não, não podia ser, estava um cangalho velho, não era mais quem dantes fora, no tempo do rei, e ainda depois. E vinha já uma aventura de 1815, quando o parente, em respeito a mim, disselhe que jogasse ou íamos embora...
Pela minha parte, estava aborrecido. A opinião do coronel, relativamente à conveniência de casar o parente com Sinhazinha, e as mostras de ternura de D. Antônia para com esta, fizeramme crer que podia haver alguma coisa em esboço; mas, ainda que nada houvesse, Raimundo, expansivo como era, chegaria a insinuálo à parenta. Era uma solução. Ignoro se Félix também desconfiava a mesma coisa; é, todavia, certo que jogou distraído e calado — durante alguns minutos —, o que fez com que o coronel nos dissesse de repente que estávamos no mundo da lua, que não viera da roça para ficar casmurro, e que, ou jogássemos ou ele ia às francesas da Rua do Ouvidor.
Ainda uma vez, Félix atalhou a imaginação libertina do tio. Para desviálo dali, falou de outros atrativos, de um prestidigitador célebre cujo nome enchia então a cidade, e que inteiramente me esqueceu, de bailes de máscaras e teatros. Contoulhe o enredo dos dramas que andavam então em cena, e aludiu a certa farsa, que divertira muito o coronel, na última vez que viera da roça. Raimundo tinha a alma ingenuamente crédula para as ficções da poesia; ouviaas como quem ouve a notícia de uma facada. Não era mau homem, e era excelente pai; disse logo que não perderia nada, e levaria ao teatro as suas candongas. Assim chamava às filhas.
Jogamos até perto da hora de jantar. Enquanto eles iam à cavalariça, ver os animais chegados, dirigime para a sala principal, onde achei D. Mafalda, a tia da Lalau, que vinha buscála para ir com ela às novenas da Glória; a moça voltaria depois da festa. Pareceume que Lalau ia obedecer constrangida; e, por outro lado, não ouvi nenhuma objeção da parte de D. Antônia. Só estavam as três; as hóspedes da roça tinhamse recolhido por alguns instantes. Raimundo e Félix entraram pouco depois, o primeiro convidandome a ir passear com ele e o sobrinho, a cavalo.
—  Mas, se eu não sei montar...
—  Não diga isso! Então vamos nós dois, continuou voltandose para o sobrinho. Vai Nhãtônia...
—  Eu não.
—  ...Vai Sinhazinha. Sinhazinha é cavaleira de truz.
Outra vez este nome! A gente como eu, quando receia alguma coisa, faz derivar ou afluir para ela os mais alheios incidentes e as mais casuais circunstâncias. Fui acreditando que o coronel era efetivamente um desbravador, e a temer que o Félix não resistisse por muito tempo à oferta de uma noiva distinta e graciosa, e da riqueza que viria com ela. Olhei para ele; vio falando com a tia de Lalau.
—  Valeu? perguntoulhe o coronel de longe.
—  Hoje, não. Bem, amanhã, depois do almoço.
—  A senhora não perde as novenas da Glória, disse Félix a Mafalda.
—  É minha devoção antiga; e gosto de ir com Lalau, por causa da mãe, que também era muito devota de Nossa Senhora da Glória. Lembrase, Nhãtônia? Mas deixe estar, no dia 16 estamos cá.
—  Não, interrompeu Félix, venham jantar no dia da Glória; venham de manhã. Temos missa na capela, e que diferença há entre a missa cantada e a rezada? Não é, Reverendíssimo?
Fiz um gesto de assentimento. D. Antônia, porém, mordeu o lábio inferior, e não teve tempo de intervir, porque a tia da moça concordou logo em trazêla no dia 15 de manhã. Lalau agradeceulhe com os olhos. Não obstante a disposição do moço, fiquei receoso. Ao jantar, acharamme preocupado; respondi somente que eram remorsos de ter gasto o melhor do dia ao jogo, em vez de ficar ao trabalho, e anunciei a D. Antônia que, em breve tempo, teria concluído as pesquisas. Caindo a tarde, Lalau e a tia despediramse, e eu oferecime para acompanhálas. Não era preciso; D. Antônia mandara aprontar a sege.
—  Nhãtônia quer darse sempre a esses incômodos, disse agradecendo Mafalda.
—  Eu não, redargüiu D. Antônia rindo, as incomodadas são as bestas.
A sege, em vez de as tomar ao pé da porta que ficava por baixo da sala dos livros, veio recebêlas diante da varanda, onde nos achávamos todos. O constrangimento de Lalau era já manifesto. Se preferia a mãe a tudo, como me dissera uma vez, cuido que preferia D. Antônia e a Casa Velha à companhia da tia; acrescia agora a presença de hóspedes, a variedade de vida que eles traziam à Casa Velha; finalmente, pode ser também, sem afirmálo, que tivesse receios idênticos aos meus. Despediuse penosamente. D. Antônia, embora lhe fosse adversa, é certo que ainda a amava, deulhe a mão a beijar, e, vendoa ir, puxoua para si, e beijoua na cara uma e muitas vezes.
—  Cuidado, nada de travessuras! disselhe.
Tia e sobrinha desceram os degraus da varanda, e quando eu ia ajudálas a entrar na sege, atravessouseme o filho da dona da casa, que deu a mão a uma e outra, cheio de respeito e graça.
—  Adeus, Nhãtônia! disse a moça metendo a cabeça entre as cortinas de couro da sege, e fechandoas, depois de dizerme adeus com os olhos.
Eu, que estava no topo da escada, correspondilhe igualmente com os olhos, e voltei para as outras pessoas, enquanto a sege ia andando, e
o moço subia os degraus.
—  Nhãtônia, disse o coronel rindo, este seu filho dava para camarista do paço.
D. Antônia, escandalizada, tinha entre as sobrancelhas uma ruga, e olhou sombria para o filho. Quero crer que este incidente foi a gota que fez entornar do espírito de D. Antônia a singular determinação que vou dizer.







Links:


Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Obra completa de Machado de Assis

História em 1 Minuto

Curso de Idiomas (Inglês e Espanhol)

Áudio Livro

Livros - Online

Billboard Hot 100 - Letras de Músicas

Developer - Treinamento, Manuais, Tutoriais

Santa Catarina - Conheça seu Estado

São Paulo - Conheça seu Estado

Paraná - Conheça seu Estado

Mato Grosso do Sul - Conheça seu Estado

Educação Infantil

Língua Portuguesa e Atualidades

Arte e Estética

TOP 50:


As festas populares no estado de São Paulo

Atividades extrativistas do estado de São Paulo

Adolf Hitler - Mein Kampf - Download

Áreas de preservação no estado de São Paulo

Assalto - Carlos Drummond de Andrade

Atividades extrativistas do Mato Grosso do Sul

Machado de Assis - O Alienista - PDF Download

Gonçalves Dias - Marabá

As festas populares no estado do Paraná

O tropeirismo no estado do Paraná

Biomas brasileiros

Bacias hidrográficas do estado de São Paulo

A população africana e a escravidão no Paraná

Áreas de preservação do estado do Paraná

Mário de Andrade - Macunaíma - Download

As comunidades quilombolas no Mato Grosso do Sul

As atividades econômicas do estado de São Paulo

Atividades extrativistas de Santa Catarina

Áreas de preservação do estado do Mato Grosso do Sul

Atividades extrativistas no Paraná

Os imigrantes no século XIX e XX no estado do Paraná

Jogos para Crianças - Dengue

As festas populares do Mato Grosso do Sul

Adolf Hitler - Mein Kampf - CAPÍTULO XI - POVO E RAÇA

Os biomas do estado do Mato Grosso do Sul

A urbanização do estado de São Paulo no início do século XX

Os índios Xetá do estado do Paraná

As atividades econômicas do Paraná

Clima e relevo do estado do Paraná

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas - CAPÍTULO CXVII / O HUMANITISMO

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas - CAPÍTULO CLX / DAS NEGATIVAS

Áreas de preservação do estado de Santa Catarina

O relevo do estado de São Paulo

As atividades econômicas de Santa Catarina

A organização do espaço geográfico brasileiro

O Diário de Anne Frank - Download

Gregorio de Matos - Ao braco do mesmo menino Jesus quando apareceu

Os imigrantes no estado de Santa Catarina no século XX

A imigração europeia no estado do Paraná

Machado de Assis - Dom Casmurro - CAPÍTULO LXII - UMA PONTA DE IAGO

A poluição do rio Iguaçu (maior rio do Paraná)

10. Mitologia Grega

Elizabeth Barrett Browning - Sonnet 43 - How Do I Love Thee?

A população indígena no estado de São Paulo em 2015

05. Religião – Idade Antiga

Machado de Assis - Esaú e Jacó - CAPÍTULO LXIII - TABULETA NOVA

A formação da cultura de Santa Catarina

Clima e relevo de Santa Catarina

Mário de Andrade - Macunaíma - Capítulo XVII - URSA MAIOR

A população africana no Brasil e a escravidão

Outros Links:


Obra completa de Machado de Assis

Machado de Assis - Dom Casmurro

Machado de Assis - Quincas Borba

Machado de Assis - Memórias Póstumas de Brás Cubas

O Diário de Anne Frank

Educação Infantil

Bíblia Online

História e Geografia

Casa do Sorvete

Sanderlei Silveira

Conheça seu Estado - História e Geografia

Poesia em Português, Inglês, Espanhol e Francês

Santa Catarina - História e Geografia

Paraná - História e Geografia

Mato Grosso do Sul - História e Geografia

São Paulo - História e Geografia

Mário de Andrade - Macunaíma

Adolf Hitler - Mein Kampf



Nenhum comentário:

Postar um comentário